Publicidade

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014 Sem categoria | 18:40

Desistir jamais, tentar sempre. Direitos humanos são para todas e todos!

Compartilhe: Twitter

 

 

 

 

 
images (2)Um dia especial, sem dúvida. Nada mudou, mas eu sei que alguma coisa aconteceu. Está tudo diferente, apesar do que permanece… Dia 10 de dezembro. Nesta data, em 1962, nasceu Cássia Eller. Quando ouvi a voz dessa mulher pela primeira vez, eu era aluno da Fundação José Carvalho. Na única televisão que havia neste colégio interno – por isso mesmo, com uma programação disputadíssima pelo alunos e alunas – assisti a um show de Cássia Eller na extinta Rede Manchete… E minha vida nunca mais foi a mesma! Implorei a minha professora de Língua e Literatura, Nanci Vieira, que comprasse o disco de Cássia para mim em Salvador (o colégio interno ficava em Pojuca, interior da Bahia). “Quem é essa que se faz passar por cantora?”, perguntou-me Nanci na hora, para me provocar. Mas realizou meu desejo. Eu amei aquele vinil! E, como a personagem de Clarice Lispector em “Felicidade clandestina”, eu me esquecia dele de propósito só para experimentar, depois, a felicidade de me lembrar que o tinha guardado…
Anos depois, já jornalista, tive a honra de entrevistar Cássia Eller em cima do trio de Margareth Menezes durante um Carnaval na Bahia. Cássia usava um cabelo pintado de verde. Entre os muitos jornalistas que a disputavam, ele me destacou e me pediu que aguardasse, pois falaria comigo depois e com calma. Por que? Até hoje não sei direito. Mas suspeito que nossa troca de olhares disse muito de um para o outro. Conversamos por quase uma hora. E ela, que havia sido tímida com os outros jornalistas, soltou-se bastante, riu e até fez considerações sobre algumas de suas colegas de geração, como, por exemplo, confessar a gratidão a Marisa Monte por sugestões que a levaram a reorientar sua (de Cássia) carreira e dizer, com humor, que gostava de Adriana Calcanhotto, mas a preferia loura e menos sofisticada como no início da carreira. Pensei comigo: “Essa mulher poderia ser minha amiga”.

Alguns anos mais tarde, quando soube da notícia de sua morte, chorei como se tivesse perdido a amiga que eu teria um dia, mas que já era amiga de outra forma. Chorei profundamente. E só me consolo em relação a essa perda por que tenho sua música. A arte de Cássia Eller me ajuda a sentir ser humano e a viver ser urbano. Hoje sua música começou meu dia.
*
Dez de dezembro é também o Dia Internacional dos Direitos Humanos. Ainda que eu comemore essa data, eu lamento ainda não termos superado a necessidade de uma data especial para fazermos existirem os direitos humanos (principalmente daqueles e daquelas que estão excluídos da cidadania plena em função de sua etnia, procedência, idade, classe social, identidade de gênero, orientação sexual, alguma deficiência física ou cognitiva, religião ou do fato de não serem religiosos). Estou ciente, contudo, de que a noção de “humanidade” não está fechada nem concluída – e não há “direito humano” sem “humanidade” prévia! Ao longo de nossa história, diferentes coletivos e indivíduos foram excluídos da comunidade de direitos, escravizados, difamados e/ou exterminados por não serem considerados humanos ou por terem sido desumanizados. Podemos mesmo dizer que a nossa história é a a história de extensão da comunidade considerada “humana” – e hoje já há quem queira estendê-la a outras espécies animais.

Sendo assim, é fundamental um dia internacional para comemorarmos os diretos humanos, haja visto que a noção de “direitos humanos” que trabalhamos hoje aparece pela primeira vez na Declaração da Independência dos EUA (1776); depois na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão da Revolução Francesa (1789); e, por fim, na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) – ou seja, em momentos em que muitos estavam ou foram excluídos da comunidade de direitos por causa de suas posições de sujeito, sobretudo no caso dos judeus, ciganos, homossexuais e comunistas exterminados pela empresa nazista porque eram o que eram.
*
O dia de hoje se faz importante também porque aqui na Câmara dos Deputados, templo em que os direitos humanos reconhecidos pela Constituição Federal – portanto, direitos fundamentais – deveriam ser protegidos e promovidos, vários deputados fizeram hoje discursos em favor de “direitos humanos apenas para humanos direitos” e desqualificaram as mulheres e homens que se dedicam a defender os direitos humanos das minorias e dos delinqüentes.
*
Neste dia, após ouvir Cássia Eller cantando “Por enquanto”, dei uma lida nos jornais e blogs e tive o desprazer de ver, nos comentários do post de Ricardo Noblat sobre a ofensa do deputado fascista à ex-ministra dos Direitos Humanos Maria do Rosário, dezenas de comentários em defesa do fascista, que disse ontem não estuprar a deputada por ela não merecer. Há, nesses comentários, inclusive mulheres chamando Rosário de “vadia” e “vagabunda” e “justificando” a violência verbal perpetrada pelo deputado fascista contra ela com o fato de Rosário ser petista e “comunista”. Red is the new black! Ou a burrice dessa gente virou um aleijão.
*
Diante disso, a primeira impressão é a de que mudaram as estações, mas nada mudou. Todavia não é verdade. Ainda que nossas conquistas em termos de extensão da comunidade humana não sejam pra sempre, uma vez que “o ‘pra sempre’ sempre acaba” (daí a necessidade de nos mantermos atentos!), ainda assim, alguma coisa aconteceu: está tudo diferente. E se depender de mim e de tantos outros, nada será como antes no que diz respeito aos direitos humanos de minorias, da mesma maneira que a MPB nunca mais foi a mesma depois de Cássia Eller. Desistir jamais, tentar sempre. Direitos humanos são para todas e todos!

Autor: Tags:

4 comentários | Comentar

  1. 54 Maristela Pires de Oliveira 16/12/2014 18:18

    Pois é Jean – depois de ler o seu texto com essa amalgama de racionalidade e bons sentimentos – o que considero partes integrantes da humanidade / ser humano …
    Sejamos amigos!

  2. 53 Gisele 13/12/2014 10:28

    Jean, infelizmente vivemos em um país maravilhoso, porém muito preconceituoso e intolerante… Ao invés de se preocuparem com o amor e respeito ao próximo, atacam, agridem, sem pensar que independente da sua escolha religiosa ou sexual, devemos amar ao próximo e não julgar ou atirar pedras por causa das escolhas individuais do ser humano… Muitos estão com os olhos vendados e não enxergam… Não conseguem evoluir, tão pouco perceber que é uma passagem… Deus nos deu uma coisa que se chama “livre arbítrio” e cada um é responsável pelo seu… Não desista nunca de lutar pela igualdade de direitos, pois são poucos que têm coragem de enfrentar as multidões ou instituições q se intitulam “o poder”… Nem Jesus conseguiu agradar a todos… Só fez o bem e mesmo assim foi crucificado…

  3. 52 Val 10/12/2014 22:02

    Também fico extremamente indignada até por saber que pessoas se dispuseram a eleger uma criatura grotesca como esse senhor, mas ainda ao ler comentários tão absurdo e reacionários, porém me conforto ao entender que o nosso povo necessita ainda de formação política para alavancar e valorizar a democracia hoje vivida em nosso país, percebo que o caminho a ser trilhado é muito longo principalmente quando vemos notícias de estados brasileiros que se indignam e relutam em aceitam o a maioria da população decidiu com legitimidade nas urnas e fazem manifestações pedindo cassação e volta da ditadura militar em nosso país.

  4. 51 clodoaldo 10/12/2014 20:29

    So não existe direito para os mais de cinquenta mil homicídios, que são cometidos por ano no brasil…esses já não mais são…e preciso trabalhar para que este vergonhosa estatística seja reduzida drasticamente…uma maneira e acabar com a impunidade!!!!!!!!!!!!

  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios