Publicidade

quarta-feira, 23 de abril de 2014 direitos humanos | 15:19

Direitos sexuais e reprodutivos: o Brasil na contramão da história

Compartilhe: Twitter

10169287_10203779054060564_6131890052728560934_nEstou participando, em missão oficial e a convite das Nações Unidas (sem qualquer custo para a Câmara dos Deputados), na 6ª Conferência Internacional de Parlamentares para a Implementação do Programa de Ação da ICPD (Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento), que se realiza em Estocolmo. Todos os países membros da ONU e signatários da Declaração Universal dos Direitos Humanos estão presentes.

Essa conferência comemora também os 20 anos da conferência do Cairo, onde os países reconheceram que a saúde reprodutiva e os direitos sexuais são fundamentais para o desenvolvimento das populações. A Suécia, país que abriga a conferência, é uma referência na implementação dessa agenda e um exemplo de que governos e parlamentares podem agir com honestidade intelectual, republicanismo e responsabilidade social, apesar das posições no espectro político.

No Parlamento sueco, há uma Frente Parlamentar pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos, que reúne parlamentares de sete diferentes partidos, incluindo um deputado do Partido Cristão Democrático. Em sua agenda, atuação e em seu discursos, há consenso quanto ao reconhecimento da identidade de gênero e da orientação sexual, e esses conceitos não são questionados e são levados em conta na sua diversidade na atuação desses parlamentares e do governo. Nada mais diferente da realidade brasileira, sobretudo depois da aprovação de um PNE sem referências a gênero, identidade de gênero e orientação sexual. Na Suécia, diferentemente, essas políticas de Estado incluem a educação sexual nas escolas, a observação das noções de identidade de gênero e orientação sexual nas práticas educacionais e a garantia da interrupção segura da gravidez: sim, o aborto legal, seguro e gratuito.

O resultado prático dessas e outras políticas é o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da Suécia, que praticamente eliminou a mortalidade materna e infantil e reduziu a níveis muito baixos a violência sexual contra as mulheres. O próprio arcebispo da Suécia está de acordo que o reconhecimento dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres (incluindo aí o direito de contrair matrimonio apenas se e quando quiser e o direito a aborto seguro em caso de gravidez indesejada ou precoce) foi o melhor caminho para reduzir a mortalidade materna e, ao mesmo tempo, proteger a adolescência.

Nas palavras de Ulricka Karlsson, deputada e presidenta dessa Frente Parlamentar pelos Direitos Sexuais e Reprodutivos, “desenvolvimento das populações” significa reduzir a pobreza, garantir um meio ambiente e empregos dignos aos jovens, mas também e sobretudo uma uma vida digna, o que inclui a proteção contra a discriminação decorrente do gênero, da identidade de gênero e da orientação sexual, e o direito de decidir se quer ou não entrar num matrimônio ou se quer ou não ser mãe. Segundo ela, “isso só pode ser alcançado com um sistema normativo livre de discriminação e que assegure o acesso à educação sexual, contraceptivos, aborto seguro, e a meios de prevenção da AIDS e outras DSTs.

Ou seja, o Brasil, nesse sentido e no que diz respeito ao Poder Legislativo, está na contramão das experiências internacionais que dão certo, lamentavelmente!

Pense nos seguintes dados:

– Dois milhões das adolescentes grávidas no mundo têm menos de 15 anos;

– 800 mulheres morrem por dia no mundo devido a complicações ligadas à gravidez, parto e aborto clandestino. E a maioria dessas mortes está em países em desenvolvimento, como os da América Latina e os da África sub-saariana, curiosamente os países cujos parlamentos e governos mais impõem resistências aos direitos sexuais e reprodutivos e não os reconhecem como Direitos Humanos;

– 70% dos (das!) pobres no mundo são mulheres, embora estas representem pouco mais da metade da população mundial. Mesmo nos EUA, para cada dólar recebido por um homem por certo trabalho, uma mulher recebe 40 centavos para o mesmo trabalho;

– O IPCI/ICPD tem consciência de que, 20 anos depois, os países membros da ONU implementaram de modo diferenciado as diretrizes da conferência. Na América Latina, na África e nos países asiáticos essas diretrizes não foram implementadas a contento, muito pelo contrário: aprovaram leis discriminatórias ou alteraram outras de modo a se tornarem discriminatórias e, assim, negar políticas de proteção e promoção da dignidade da população LGBT e das mulheres, e permitir que meninas se casem com homens mais velhos.

O Brasil vai fazer alguma coisa para mudar esse quadro ou continuaremos reféns do fundamentalismo, caminhando em direção ao atraso?

Autor: Tags: , , , ,

5 comentários | Comentar

  1. 55 Isabel 27/04/2014 15:43

    Gosto muito do Deputado Jean Wyllys, é muito amoroso, muito sorridente!

  2. 54 Isabel 27/04/2014 14:01

    Se uma mulher quer abortar, pois ela é dona do seu corpo, acho que deve fazê-lo de forma legal, segura e gratuita, isto permite reduzir as mortes causadas por aborto clandestino.

  3. 53 Isabel 27/04/2014 13:53

    Eu tive no Liceu uma disciplina de Saúde que era leccionada por médicos estagiários. Nesta disciplina falava-se de doenças sexualmente transmissíveis, sífilis, blenorragia ou gonorreia, falava-se também de sexo oral e anal. Quando o professor(médico) acabava de dar a aula, nunca vi nenhum aluno com vontade de fazer sexo, era uma aula perfeitamente normal.

  4. 52 Antonio Nascimento 27/04/2014 12:48

    Jean, meu caro!

    Feliz por sua atuação política e engajada nas questões que interferem sobre sexualidade, saúde e bem estar da mulher e das minorias sociais. Só um ponto que eu considero importante e relevante para vencermos o atraso e a mentalidade pequena dos que se posicionam mal e são contra às políticas inclusivas: antes de tentar o debate de idéias com os opositores às suas propostas, creio eu, de se fazer necessário a classe GLBT e algumas minorias assimilarem bem as diferenças de identidade de gênero – principalmente – para que seu discurso ganhe força e que outras articulações por meio de outros representantes possam fazer força diante dos seus atrasados e conservadores políticos – que nem de direita eu diria que são. Penso que ainda há muito preconceito e reprodução desse discurso mesmo entre os GLBT’s e se ainda não têm claro como lidar com essas diferenças, as reinvidicações correm risco de cair sobre um discurso vazio. No mais, eu torço para que todas as políticas inclusivas sejam implementadas e que o Estado possa finalmente servir à toda a sociedade, com justiça e igualdade de direitos. Parabéns!

  5. 51 Luciana 27/04/2014 12:32

    Jean, eu conheço a Suécia e sou uma fã das políticas sociais desse país. O que a Suécia tem que o Brasil não tem? Gente honesta. Não há espaço para a hipocrisia, um câncer entre nós. Aí os idiotas hipócritas que fingem que gostam de bebês e crianças não têm espaço, não dão pitaco. O Estado sueco é LAICO de verdade e os religiosos sabem bem o seu lugar. É só ver quem exporta malandro fundamentalista: Brasil ou Suécia?

  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios